Receba todas as notícias do Avenged Sevenfold no seu E-mail

sábado, 21 de junho de 2014

M. Shadows para TechRadar: Novo DVD "This Is Bat Country" e o jogo Hail to the King: Deathbat

Nick Pino do site TechRadar, que é um site voltado para tecnologia no geral, conversou com Matt Shadows no último dia 17 de junho, onde eles falaram sobre dois assuntos que estão matando todos nós fãs de A7x de curiosidade e ansiedade: O jodo "Hail to the King: Deathbat" e o novo DVD da banda!

Matt deu detalhes sobre o jogo, como fases, e a jogabilidade. Além disso, no final da matéria você pode conferir o vídeo original da entrevista, que conta com imagens (vídeos) do jogo, que já nos permite ter uma boa ideia de como vai ficar o game. Sobre o DVD, ele nos deu o título e a previsão para o lançamento e falou um pouco sobre a gravação. Confira essa entrevista completa abaixo no texto, ou se preferir, no vídeo legendado em Português no final da matéria!

Nick Pino: E ai TechRadar, Nick Pino aqui, estamos conversando com Matt do Avenged Sevenfold, sobre seu novo jogo chamado Hail to the King: Deathbat, um jogo  para dispositivos móveis que sai ainda esse ano, então nos fale um pouco sobre o jogo.

Matt: É um jogo de ação-aventura, que vai foder com a cabeça de muita gente, fazendo elas se perguntarem: como uma banda conseguiu fazer isso? Isso é bem legal. Então estamos tentando fazer uma coisa que não tenha sido feita ainda, basicamente compactar um mini console de vídeo game em um jogo para dispositivos moveis, e não temos certeza se alguém já fez isso. Toda vez que você joga Zelda ou Diablo você quer se sentar em casa, no seu computador ou no seu Nintendo e ter um tempo seu, mas queremos desafiar as pessoas, e ver se elas vão querer jogar esse jogo nos seus celulares, e fizemos isso de um jeito bem legal, então, acho que vai pirar muita gente.

Nick Pino: então é um jogo de Ação-aventura, parecido com Zelda, e como mais você o descreve?

Matt: Zelda é um pouco difícil de comparar porque um monte de expectativas viria com isso, é obviamente uma das melhores franquias de jogo, a minha franquia preferida, mas tem muitos elementos como os de Zelda, como os personagens ''Npc'' que você tem que controla-los durante as fases, mas é jogo de ação-aventura ''top down'' então muito Gold, e a primeira vista você pode achar parecido com Diablo, mas tem muitos elementos diferentes, como Super Meat Boy, você deve ter jogado um pouco disso, tem muita dificuldade, você tem um ''timing'' e tem que ter um controle virtual, se balançando em coisas, o tempo das coisas, missões e aventuras, é um jogo divertido, tem muitos elementos de jogos ''Old School''

Nick Pino: O que eu mais gostei nele, as fases são inspiradas em músicas, e tem a música Bat Country do City of Evil de 2005, o que mais as pessoas podem esperar, tem mais coisas dessas fases que você possa falar?

Matt: Sim, temos Nightmare, o jogo começa com ela, e bem, só pras pessoas saberem, o jogo começou com a ideia de ser um jogo sobre o mundo do Avenged Sevenfold,  onde as nossas músicas são criadas, nós esperávamos isso, mas nesse ponto o jogo se tornou uma coisa bem maior, se tornou maior do que a história do rei Androkinos ou do personagem Deathbat, que temos como logo desde o começo da banda,você basicamente controla o seu personagem por esse mundo cheio de maldade e escuridão e seu objetivo é basicamente fazer o mundo um lugar bom de novo, claro não é a Terra, e tem uma história mais profunda que essa, mas é para as pessoas que jogarem, mas além disso, temos Nightmare, temos Afterlife, temos A Little Piece of Heaven, você luta no  céu por um tempo porque o céu foi tomado por demônios, temos uma luta em The Wicked End, do álbum City of Evil, temos Unholy Confessions uma grande música nossa numa fase que é como se fosse um jardim de túmulos, então, temos várias pequenas coisas do Avenged Sevenfold ali, mas, não é necessariamente tudo sobre o Avenged Sevenfold

Nick Pino: Eu odeio ter que falar disso de novo, mas, vamos falar sobre as músicas do jogo, vocês fizeram alguma coisa especial para as musicas do jogo?

Matt: Nós queríamos fazer alguma coisa meio "Old School'', que é nossa influência como "Castlevania'', como um ''Neo Soundtrack'' como ''Neo Boys'' que é uma grande influência, um monte de musicas neoclássicas, e eles basicamente fizeram tons e essas coisas, e disso vieram grandes músicas, então nós queríamos fazer isso, mas com um sentimento de 2014, então a música soa grande e nova, mas ao mesmo tempo muito dessa coisa do passado, por exemplo, se você morre no Mário, faz um som tipo -Shadows faz o som do Mário- nesse jogo você faz um som tipo -Shadows faz som do jogo- são pequenas coisas que dão cara nova as coisas antigas.

Nick Pino: Então, teve um tempo em que vocês trabalharam com a Machinima, queria falar um pouco disso.

Matt: A coisa com a Machinima, foi que eles queriam fazer uma história sobre o que acontecia antes do jogo, e pra ser sincero acho que fizemos isso muito cedo porque o jogo não estava pronto, e achávamos que ele iria ficar pronto,  e é quando você realiza que um jogo demora muito tempo pra ficar pronto, esse jogo nos tomou 2 anos, mas você quer estar certo, você quer apressar, então, eu acho que esse lance com a Machinima foi super legal porque basicamente narra o que acontece antes de você começar a jogar, e sabe, fazer isso foi o pontapé inicial para o jogo, mas a Machinima fez tudo muito certo, e nos ajudou bastante com essa coisa de lançar um jogo. E eu acho que lançar um jogo é um novo território, então estamos animados para ver o que as pessoas vão achar.

Nick Pino: Ótimo! Matt você é um grande jogador, você escreveu 3 músicas para um franquia de jogos, certo?

Matt: Bem, eu tenho escrito duas, então temos umas 5 ou 6 agora, e eles são grande apoiadores do Avenged, então é bem legal.

Nick Pino: Então, como você se sente trabalhando no seu próprio jogo, e não só na musica de um jogo, eu quero dizer tenho certeza de que é muito diferente.

Matt: Sim é muito diferente, mas, tem muitas coisas parecidas, como os dois dão muito trabalho, e vem com força de vontade, o quanto você trabalha nisso, e o quão bom você quer ser, sabe, escrever uma música, você sabe, é uma estável, você pode dizer ''Assim esta bom, não gostei disso agora, mas seu eu gostei ontem com certeza está bom'', mas falando de jogos, uma das razões porque demora muito tempo, é que você está sentado, e pensa: ''o que podemos fazer pra tornar isso melhor?'' e ai se vão mais seis meses, mas tudo isso é sobre trabalho duro. E escrever músicas, bem esse é realmente a nossa casa, fazemos isso há muito tempo, crescemos fazendo isso, então fazer uma música para o Black Ops é muito legal, por causa das cenas, e nós vemos o que nos queremos e imaginamos. Fazer jogos é realmente uma coisa nova, mas tem sido uma ótima experiência e esperamos que as pessoas gostem.

Nick Pino: Então, uma última pergunta, como vai esse ano para o Avenged Sevenfold? vocês estão compondo, estão em turnê? O que vem agora?

Matt: Nós estamos nas turnês do álbum Hail to the King, por quase um ano, nós vamos a Europa em Junho, vamos ser Headlines no Mayhem Festival, vamos ao Japão, e depois vamos tirar um tempo de folga, mas estamos trabalhando no relançamento do álbum Waking The Fallen com algumas demos, com algumas músicas que não foram gravadas, e perto do Natal, nós vamos lançar um DVD chamado "This is Bat Country" que vem sendo filmado ao redor do mundo, por uns 6 anos que vai ser bem legal, mas acho que o mais importante disso tudo é o lançamento do jogo.

Nick Pino: Matt, muito obrigado de novo por estar aqui conosco hoje.

Matt: De nada.

Nick Pino: E estamos aguardando o jogo Hail to the King: Deathbat que deve ser lançado logo.

Matt: por julho, agosto, setembro...

Nick Pino: é, algum dia desses

Matt: é, por ai...

Vídeo da entrevista:



Tradução: Thamires Rocha
Compartilhe!
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...