Receba todas as notícias do Avenged Sevenfold no seu E-mail

domingo, 4 de maio de 2014

Arin Ilejay para a Planet Radio 105.1: Desafios na gravação do disco e suas influencias

Na ultima semana a banda se apresentou na cidade de Lafayette, EUA. E Arin concedeu uma entrevista para a Planet Radio 105.1.

Dentre os assunto eles comentaram sobre a nova tour, as novidades no palco, dificuldades em mudar seu estilo de tocar bateria para o Hail To The King e suas influencias musicais.



Confira essa entrevista:

Tai: Como vão vocês? Aqui é Tai da Planet Radio 105.1 no backstage do Canjundome e comigo aqui para a Shepherd of Fire Tour está Arin, baterista do Avenged Sevenfold. Como vai?

Arin: E aí cara, como vai?

Tai: Como está indo (a turnê)?

Arin: Ótima, estamos na estrada.

Tai: Sim! Então, como é a banda? Sendo você o mais novo membro da equipe, então como esta sendo a banda pra você?

Arin: Tem sido ótimo, o curto tempo que passei com esses caras na estrada, é legal ver os lugares lotando e tudo mais. É incrível.

Tai: Como você é o mais novo, eles não zoam com você?

Arin: Ah sim, eles zoam comigo. (risos)

Tai: Alguma loucura já aconteceu?

Arin: Nada muito louco. Na verdade não posso compartilhar esse tipo de história.

Tai: (risos) Certo, vamos falar um pouco sobre seus planos, suas influências.

Arin: Eu já tive várias influências de bandas diferentes como From First to Last, The Mars Volta é uma influência muito grande.

Tai: Eu adoro The Mars Volta.

Arin: Sim, e também tem John Bonham do Led Zeppelin tem definitivamente uma grande influência. Eu gosto muito de My Chemical Romance e Queen, também tem o Jimi Hendrix...é tudo de metal para r&b e folk e progressivo meio psicodélico

Tai: Então você tem um gosto musical bem diferenciado. Falou como um verdadeiro músico. Então, voltando para A7X e o fato de você ser o membro novo, como foi o processo de gravação do álbum “Hail to the King” com esses caras?

Arin: Foi desafiador, eu tive que reaprender a como tocar bateria porque eu nunca toquei bateria do estilo que toquei para esse álbum, foi um estilo bem diferente. Eu esperava a mesma coisa que os fãs esperavam. E ai tive que tocar coisas muito loucas e diferentes de bateria, os caras definitivamente desafiaram a forma como eu toco, vieram com partes bem espaçosas (de/para a bateria). São repercussões bem mais poderosas do que apenas pedaços e cortes. Foi bem divertido, meio assustador no começo mas eles são fáceis de trabalhar, me encorajaram bastante.

Tai: É legal para você cara, porque ouvindo o álbum a bateria é foda. Você diz que teve alguns problemas mas não da para perceber!

Arin: Ah, obrigado cara.

Tai: E hoje à noite vocês vão tocar pela Shepherd of Fire tour. O que podemos esperar?

Arin: Um palco bem versátil. Essa tour tem sido bem versátil, músicas diferentes. Então as pessoas podem esperar para ouvir suas (músicas) favoritas. É como uma mistura disso com as coisas novas. Nós vamos com certeza tocar Shepherd of Fire (risos).

Tai: Bem, é o nome da tour (risos) seria bem bizarro não tocá-la. Um dos meus colegas de trabalho entrevistou M.Shadows não há muito tempo e ele disse que vocês teriam um palco muito legal para essa tour. Alguma coisa maluca? Alguma coisa que vai levar a audiência a loucura hoje?

Arin: Bem, teremos o fogo. Ele está maior e nunca tivemos isso no palco antes. Eu estou tendo outro tipo de suor no palco.

Tai: É quente?

Arin: Sim, meio que machuca meus braços. E temos essas imagens de dragões de dois metros de altura e são de fogo. Estamos estourando tudo. Acho que podem esperar um show fantástico.

Tai: Incrível! Foi muito bom falar com você cara.

Arin: Foi um prazer.

Tai: Hail to the King nas lojas, não perca a Shepherd of Fire tour, vai ser daora. Obrigada Arin.

Arin: Obrigada você.

Tradução: Laura Lacerda
Compartilhe!
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...