Receba todas as notícias do Avenged Sevenfold no seu E-mail

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Synyster Gates em entrevista a Rolling Stone Itália

Synyster Gates concedeu por telefone uma entrevista para a renomada revista Rolling Stone da versão Italiana e a entrevistadora Andrea Carraro perguntou sobre pontos da carreira do Synyster e da banda, especialmente sobre o novo álbum.








Confira essa entrevista:

Há uma razão para o mal-humorado Joe Perry do Aerosmith, em 1979 ele escreveu uma peça chamada Let the Music Do the Talking: os guitarristas normalmente não falam mas deixam suas guitarras falarem por si, e para eles falarem duas palavras as vezes é um pouco difícil. Quando eu estava no telefone com Synyster Gates, guitarrista prodígio do Avenged Sevenfold que hoje em dia leva a banda de metal em direção para o sucesso mundial – não só para um passeio. Synyster é do tipo serio mas solta algumas besteiras, "à la Rolling Stone" nos contou sobre um monte de coisas.

Rolling Stone: Você está com a banda em torno de 14 anos, naquela época vocês imaginavam o cenário que ela teria hoje ?

Synyster Gates: Não tenho certeza se realmente tenha sido em torno de tanto tempo ...

Rolling Stone: Foi sim, você fundou a banda em 1999!

Synyster Gates: Ah, ok, obrigado ... A propósito: em alguns aspectos, é mais difícil para uns e fáceis para os outros. No nosso caso, é bastante singular: nós crescemos juntos, nos conhecemos desde que tenho 10 anos, somos como irmãos. Minha esposa e a do Shadows são mesmo irmãs, tivemos sorte. Sobre o sucesso de hoje, bem, as redes sociais deram uma ajuda incrível, eles nos colocaram em contato com outros músicos, com o promotor para organizar datas. Lançar as novidades é definitivamente mais fácil.

Rolling Stone: Durante anos, você viu a banda Metallica ganhar os corações dos fãs de metal. Como é para você ser considerada a "próxima grande banda", depois de quase três décadas da sua carreira, enquanto o Metallica conseguiu em uma ?

Synyster Gates: Essa coisa que você disse faz um tempo e, certamente, para nós é uma honra ser considerada como a banda que pode um dia receber o bastão do Metallica. Eles ainda estão por aí e fazendo grandes coisas então nos preocupamos em tentar fazer sucesso do nosso jeito, tocando nossas músicas para os nossos fãs. E se há uma coisa que tenho certeza é que eles são os melhores do mundo, eles são incríveis.

Sobre o vídeo de "Hail to the King", que dá o título do novo álbum do Avenged Sevenfold.

Rolling Stone: Antes de gravar Hail To The King vocês passaram por uma dieta rigorosa com bases no Black Sabbath e Led Zeppelin. Mas eu não tenho dificuldade em ouvir a primeira faixa, no entanto eu não consigo entender as influencias do álbum...

Synyster Gates: Eu cresci ouvindo Led Zeppelin. Você ouve no meu player mas o que tínhamos em mente era oparar e tentar entender a ideia por trás da sua música. Queríamos que Hail To The King  soe como um clássico do rock de verdade. Zeppelin e Sabbath foram os melhores na criação de incríveis riffs, puxou para um baixo e seguiu como o evangelho. Nós não fizemos quase nada, desta vez queríamos no sentido AC/DC: um grande riff que rimbombasse em um espaço enorme, com uma bateria gigantesca, rumores e os solos mais loucos deste mundo. Sem sentir que você não pode ter esse tipo de groove, o tipo de efeito que - quando você está lá o som fique bem ao vivo - É diferente ao ponto de ter alguma coisa de todos os estilos, como uma mola maluca. Esta é a filosofia por trás do Hail To The King. Musicalmente, não poderíamos colocar um blues habitual que já foi feito mil vezes. Então decidimos ter inspiração de música clássica para arranjos, melodias e coisas desse tipo.

Rolling Stone: Minha música favorita do álbum, por causa de sua disposição e utilização de riffs, é Planets . Mesmo sendo menos metal, mas ainda é legal ...

Synyster Gates: Obrigado... Bem, com certeza é a parte mais progressiva do álbum, apesar de todas as faixas serem escritas com uma característica de groove. Na minha opinião o DNA que o Avenged Sevenfold tem é uma importante veia progressiva, e é isso que nós queríamos, deixando o campo aberto a todas as nossas influências clássicas. A imagem que tinha em mente era a de um conflito intergaláctico cheio de meteoritos e cenários apocalípticos, que lembre as dos filmes. Foi divertido de escrever, é definitivamente a minha música favorita no disco, e depois ela se funde com Acid Rain, a última música do álbum, que fala sobre como se sente depois de lutar esta guerra intergaláctica e perdê-la, quando você está lá com a sua alma gêmea e você sabe que está prestes a ser varrido da face da Terra.

Rolling Stone: Mas esta descoberta de onde vem? É tudo culpa de Mike Portnoy?

Synyster Gates: Não, ele ficou conosco por cerca de um ano, logo após o lançamento do Nightmare. Ele nos deu uma grande mão para voltar à estrada depois da morte de The Rev. Mas sim o Mike nos ajudou a ampliar nossos horizontes musicais nos mostrou um monte de séries de televisão, um verdadeiro ídolo.

Rolling Stone: Hail To The King não é uma música tão louca como Bat Country, mas soa muito harmonico, muito homogêneo, é uma coisa desejada?

Synyster Gates: Absolutamente. Quando você gravar um álbum novo, você acaba escrevendo material para pelo menos 4 discos seguintes, e escolhe as peças que funcionam melhor na ideia geral do disco. Ouvir um LP é sempre uma longa viagem, e não quero que seja uma experiência em que de repente se acaba - coincidindo com o único - há um flash de verve e energia ... Neste caso, temos um disco muito progressivo com muitas pequenas mudanças em cada canção.

Rolling Stone: Como o Slayer, você estreou com um rótulo que não é especializada em seu gênero: O Def Jam na primeira gravadora de vocês a Hopeless Records, uma das etiquetas mais importantes da cena punk norte-americana. Como você encontrou?

Synyster Gates: Bem, eles sempre foram muito legais com a gente enquanto estávamos juntos mas depois as coisas pararam de funcionar, e por isso, em 2004, nos mudamos para a Warner, que - ao contrário dos outros majors - garantiu 100% de liberdade artística. O impossível nos deu menos controle, Warner nos permitiu cultivar o crescimento artístico da banda. Há anos que estamos com eles,e é o rótulo perfeito para nós.

Rolling Stone: Eu queria parar de falar sobre o tema "drogas recreativas" mas seu ex-baixista, Justin Sane, teve uma tentativa de suicídio e seu baterista morreu de um coquetel mortal de álcool e remédios. Enquanto a cena do metal deixou praticamente de exaltar a droga, o hip-hop é cheio de rappers como Lil 'Wayne que ostentam o consumo de drogas e coisa do tipo. O que você acha?

Synyster Gates: O hip hop é apenas a glorificação dos instintos mais básicos: sexo, drogas, violência...O que eu acho? Eu não tenho nenhuma opinião especial do hip hop mas se eu tivesse um filho, que provavelmente terei um. Se meu filho querer ouvir essas coisas, eu diria ok para ele ouvir, mas não leve isso a sério, porque a realidade não é assim.
Compartilhe!
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...