Receba todas as notícias do Avenged Sevenfold no seu E-mail

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Johnny Christ para a EMP Rockinvasion: Clubes de strip, Videogames, críticas e bateristas

Em Entrevista ao site alemão EMP Rockinvasion, Johnny Christ fala sobre gosto de visitar clubes de strip, videogames, críticas sobre a banda, sobre os bateristas que passaram pelo Avenged Sevenfold e o que a banda curtem fazem durante a turnê.






Confira a entrevista:

EMP: Eles dizem “Hail to the King”, eu digo “Hail to Johnny Christ!” (Risos)

Johnny: Ah que legal, obrigado cara.

EMP: Vocês já fizeram vários vídeos no YouTube comentando sobre cada música do novo álbum, então não tem necessidade de conversar sobre  isso, vamos falar de outras coisas.

Johnny: Isso, vamos falar de outra coisa.

EMP: Então vamos, primeiro: clubes de strip! Ouvi falar que você ama clubes de strip

Johnny: Sim eu gosto de clubes de strip, é um local divertido onde há mulheres bonitas e bebidas, sabe?

EMP: Em uma entrevista você disse que gosta de clubes de strip até com mulheres velhas. Eu não entendi isso, você pode explicar?

Johnny: (Risos) Ah não, não… estava brincando, cara. Estávamos dando uma entrevista para a rádio “KROQ” da Califórnia e eles faziam perguntas bobas, eu já havia tomado algumas cervejas, então… Como eu disse, eu costumo ir ao clubes de strip somente pelo ambiente. Em Atlanta existe um lugar onde é conhecido por ter strippers de 65 à 70 anos de idade. Para mim isso é novidade, é engraçado e tal. Eu não vou para ficar com tesão, pelo contrario, simplesmente vou para me divertir, conversar e beber alguma coisa.

EMP: Você é amigo do Vinnie Paul? Ele já foi com você em algum clubes de strip?

Johnny: Sim, já fomos varias vezes, na verdade. Quando vou para Dallas a gente sempre se encontra, ele é incrível.

EMP: Alguma experiência tailandesa?

Johnny: Sim, logico. Fomos na Tailândia para ver o show de Ping-Pong, e foi ótimo! Da última vez que estivemos na Tailândia, a mulher do Matt estava grávida e ela foi ao show conosco. Foi bizarro, mas divertido.

EMP: O que vocês costumam fazem para passar o tempo quando viajam em turnê. Vocês jogam vídeo game, leem livros ou veem filmes?

Johnny: Bem eu leio um pouco, mas prefiro ver filmes. Fico ansioso para ter o dia de folga, sair e me divertir na cidade em que estamos.

EMP: Já que estamos falando de vídeo games… Vocês gravaram algumas músicas para o jogo “Call of Duty”, né?

Johnny: Sim, eu gosto de jogar “GTA”, e achei “GTA 5” muito legal. E, sim… jogamos vídeo game, mas o grande jogador  é o Matt, ele sempre está jogando  e tal. Ele tem um grupo inteiro de amigos da Califórnia e na internet que costuma joga com ele.

EMP: Rob Flynn do Machine Head fez algumas piadas sobre vocês, mas a comparação com o Metallica é meio que verdade, certo?

Johnny: Eu ouvi sobre isso e acho que todos têm suas opiniões, e nunca tivemos vergonha de fala que uma das nossas grande influência é o Metallica que esta em nossas vidas e em nossa música, porém escrevemos nossas músicas, como sempre foi e, acabaram comentando isso. E, sinceramente, para mim ser comparado com o Metallica, a maior banda de metal do mundo, é um elogio do caralho.

EMP: Vocês conhecem o Metallica e já fizeram uma turnê juntos, eles já mandaram alguma mensagem sobre o novo álbum?

Johnny: Sim, com certeza. Assim que o álbum saiu Lars conversou com o Matt e, quando alcançou mundialmente  o primeiro lugar, ficamos sem palavras, não temos que reclamar.

EMP: Vocês alcançaram o primeiro lugar novamente, esse sucesso todo irritou algumas pessoas. Pergunto, você se importa?

Johnny: Não me importo com isso. Como disse, todos tem suas opiniões e, se eles acham que me criticando vai me fazer ficar pra baixo não vai, sabe? Simplesmente não tenho tempo para pensar e me preocupar com que não gostam ou não de algo que nos esforçamos tanto para realizar.

EMP: Eu acho que como baixista você é melhor pessoa para responder isso: Qual a diferença entre todos os seus bateristas?

Johnny: The Rev, para mim… É complicado, eu entrei na banda quando tinha 18 anos e ele me ajudou. Ele me proporcionou os melhores momentos do mundo .Ele  tocava qualquer coisa melhor do que qualquer pessoa que eu já tinha ouvi tocar, sabe?

EMP: E o Mike Portnoy era muito diferente dele?

Johnny:  Mike Portnoy é ótimo na sua maneira. Ele tinha uma essência diferente, sabe? Demorou um tempo para nos acostumarmos.

EMP: E o Arin?

Johnny: Um do seus bateristas favoritos era Mars Volta e ele gosta de tocar um estilo progressivo, e como somos uma banda de metal, ele ficou: “Não, não, não! Precisamos ser um pouco mais simples que isso”. (Risos) Arin é um excelente baterista e, é  bom ter alguém jovem, ele trouxe mais vida a banda em várias maneiras, depois da morte de Jimmy.

EMP: A diversão na turnê de vocês está de volta?

Johnny: Sim, claro! Quando Jimmy faleceu, não queríamos e nem planejávamos continuar a banda, sabe? Eu lembro do primeiro show, quando me virei para a publico, eu chorava, não conseguia lidar com aquela situação. Nunca o esqueceremos, mas decidimos comemorar a vida dele, mais e mais, ao passar do tempo. E, temos dias bons e dias ruins, mas apesar disso, tudo está correndo bem com a família Avenged Sevenfold.

Compartilhe!
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...