Receba todas as notícias do Avenged Sevenfold no seu E-mail

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

"Nos descrevem de formas completamente erradas o tempo todo" Matt Shadows em entrevista para o site Radio Metal

O site Radio Metal entrevistou o vocalista do Avenged Sevenfold Matt Shadows durante a atual turnê da banda, onde Shadows falou sobre Arin Ilejay e sua entrada definitiva na banda, a diferença de Nightmare para o Hail To The King, as críticas que a banda sofre, participações de Matt em músicas de outros artistas e muito mais.





Confira a entrevista completa traduzida abaixo:

Radio Metal: O baterista Arin Llejay foi oficialmente integrado na banda este ano. O que convenceu a banda que ele era o cara certo?

M Shadows (vocal): Nós queríamos fazer um álbum com ele e ver sua maturidade na estrada. Nós queríamos ver se ele seria capaz de lidar com tudo, manter a cabeça para baixo e apenas tocar a música. Sabíamos que muita gente teria um problema com alguns dos ritmos, algumas das mudanças de estilo que fizemos durante este álbum. Queríamos ver como ele lidaria com isso. Em seguida, perguntamos à ele se ele estava pronto para dedicar a sua vida para ir para a estrada em turnês e se tornar um membro. Ele pensou sobre isso por um tempo, e então ele voltou e disse que estava pronto e queria fazer isso. Foi uma daquelas coisas onde você quer ter o seu tempo, ter certeza que seria a escolha certa.

Radio Metal: Como ele se sente estando na banda, e como é a sensação de tê-lo na banda ? Existe algum tipo de apreensão, especialmente sobre como ele será aceito como sendo aquele que substitui oficialmente Jimmy "The Rev" Sullivan ?

M Shadows: Nós definitivamente não estamos preocupados com a forma como ele aceitou, além do que pensamos sobre ele. Achamos que ele é um baterista incrível, ele fez exatamente o que nós queríamos que ele fizesse neste disco. Ele tem a maturidade para ser capaz de segurar a barra e não exagerar, e ele não tem ego. Para nós, é ótimo.

Radio Metal: Sendo o primeiro álbum sem qualquer contribuição musical de Jimmy "The Rev" Sullivan, podemos dizer que este é realmente o início de um novo capítulo para a banda, enquanto Nightmare foi o fim do anterior?

M Shadows: Eu acho que você pode colocar dessa forma. Havia registros como Waking The Fallen e City of Evil, onde Jimmy não escreveu muito e não estava muito envolvido no processo. Em seguida, durante o self-titled e Nightmare, ele começou a escrever muito mais. Portanto, para nós, estamos apenas fazendo o que sempre fizemos. Isso definitivamente é uma porcaria, porque nós amamos sua escrita. Eu acho que é um novo capítulo, porque Jimmy escreveu muito mais, por isso, se tivéssemos continuado com Jimmy, obviamente, teria sido obtido canções muito mais brilhantes dele. Mas agora que ele não está aqui, nós meio que temos que pegar as ideias de nós mesmos.

Radio Metal: Qual era o estado de espírito da banda, desta vez ao compor o álbum ? Como você compararia com Nightmare, que era uma espécie de álbum Obscuro ?

M Shadows: Eu diria que Nightmare estava emocionalmente muito obscuro. Liricamente, é um álbum muito real e emocional. Este álbum é algo mais para contar histórias, metáforas, e uma espécie de tomada de diferentes pontos com a música. Não é tão emocionalmente desgastante. Então, eu diria que este álbum é um pouco mais fácil de escutar.

Radio Metal: Três anos separam Hail To The King do Nightmare. Foi o tempo que era necessário para ter tudo resolvido com a banda, incluindo a direção musical que queria levar com este novo capítulo?

M Shadows: Absolutamente. Como pessoas, nós só precisávamos de tempo livre. Nós não estávamos ansiosos para começar a escrever um álbum e ir gravar de novo. Queríamos refletir sobre os três anos que tivemos com Nightmare, a turnê e, obviamente, o que aconteceu com Jimmy teve seu preço. E então nós queríamos passar algum tempo juntos, só saímos juntos, e realmente não nos preocupamos em ser uma banda. Então, nós fizemos isso. E quando sentimos inspiração novamente, decidimos ir e tocar a música nova, e nós escrevemos Hail To The King. Nós basicamente paramos para recarregar as baterias para ficar pronto para pular de volta no fogo.

Radio Metal: O álbum é chamado Hail To The King, após a canção de mesmo nome. Então, quem é o rei que você está se referindo? O que esse título simboliza para a banda?

M Shadows: É uma metáfora, as pessoas podem referir-se a tudo o que eles querem. Eu vi as pessoas on-line dizendo que é Satanás ou é Deus, eu vi pessoas dizendo que é Obama! Eu gosto do fato de que essa conversa existe, porque leva as pessoas a pensar sobre as letras. Para mim, porém, é mais uma metáfora. É apenas a idéia de que os seres humanos estão sempre elegendo alguém ou ter alguém como líder, e um monte de vezes, que leva a coisas ruins.

Radio Metal: Vários membros da banda, incluindo você, disseram que neste álbum vocês queriam fazer uma espécie de metal clássico, com influências como o Black Sabbath ou Led Zeppelin. Foi importante neste momento vocês revisitarem suas raízes e as raízes do metal em geral ?

M Shadows: Você sabe, nós não entramos nele pensando: "Isso é o que precisamos fazer, porque isso é o melhor para a banda". Nós descobrimos o que estamos ouvindo naquele momento, e o que temos interesse em escrever. Quando falamos "álbum clássico", não queremos dizer que estamos tentando escrever um álbum clássico para nós mesmos. Estamos apenas dizendo que os álbuns clássicos são o que estão nos influenciando neste momento. Para nós, ouvindo algumas bandas mais velhas de metal, que faziam tudo sobre riffs e grooves era mais interessante para nós do que tentar provar que podemos pegar nossos instrumentos, tocar um monte de coisas técnicas e correr em círculos, mas não realmente escrever grandes canções. Para nós, era tudo sobre a composição deste álbum. Tudo o resto era secundário.

Radio Metal: Você acha que é importante que uma banda como vocês, ensine ou aponte para as crianças, que podem não conhecer estas bandas, o que os antepassados do heavy metal eram ? Como dizer: "Essas bandas e o estilo de música que tocamos, é por isso que estamos aqui. Estes são nossos ídolos, vejam! " ?

M Shadows: Eu não estou tentando dar a ninguém lições, mas, ao mesmo tempo, quando eu tinha quinze anos, eu não me importava de onde o punk rock veio. Eu só gostava de todas as novas bandas. O mesmo com o metal: Gostei de Pantera e do Metallica, eu realmente não me importo sobre o Black Sabbath ou Rolling Stones ou Zeppelin. Mas quando você fica mais velho, você começa a perceber o quão grande são essas coisas. Se você meio que olhar o passado das gravações e da produção, você vai perceber: "Uau, isso é o que minhas bandas favoritas estão a ouvindo e eu entendo por que é tão grande." Estamos nesse ponto onde queremos gravar um registro que reflete isso, mas eu não acho que é o nosso trabalho para conseguir atingir os novos garotos. Eles todos vão ver isso em seu próprio tempo. Todo mundo gosta de voltar e tentar descobrir de onde todas as coisas vieram, eles só precisam fazer isso em seu próprio tempo.

Radio Metal: Você falou sobre este álbum que a banda tinha que evitar coisas exageradas, a fim de manter a música mais simples. Você tem a sensação de que você teria complicado as suas músicas muito no passado, às vezes?

M Shadows: Não, porque eu sinto que foi isso que nos trouxe a este ponto. Tivemos cinco álbuns com um monte de experiências e um monte de caos, e de nenhuma maneira nós poderíamos ter feito outra coisa que não fosse isso. Eu acho que muitas pessoas gostavam de nós. Mas eu acho que hoje em dia, são apenas um pouco mais. Ou você é uma banda que tenta escrever a música de rádio, ou você é uma banda que tenta ser complicada. Para mim, queremos ser a banda que está no meio. Ainda são coisas complicadas, é muito legal e moderno, mas não é necessariamente exagerado.

Radio Metal: O Avenged Sevenfold ainda é amplamente considerado - erradamente - como uma banda de metalcore, especialmente por seus difamadores, que usam este termo para criticar a banda. Isso te incomoda ?

M Shadows: Não, porque as pessoas nos descrevem de formas que são completamente erradas o tempo todo. Eu nem sequer ouço mais. Talvez ter tocado metalcore, eu acho que nós começamos um monte de coisas. Em 1999, fomos uma das primeiras bandas que estavam cantando e gritando. Nós estávamos tentando fazer algo novo, porque isso é tudo o que sabiamos fazer. Nós queríamos ser uma banda punk, queríamos ser uma banda de metal, nós queríamos combinar as duas coisas. Rapidamente cresceu a partir disso, eu acho que todo mundo tem o direito de crescer fora das linhas. Nós rapidamente nos tornamos o que queríamos ser desde o início: a banda de metal, ou uma banda de hard rock, o que quiser. Então, eu realmente não me importo que as pessoas nos chamem assim. Eu acho que se eles ainda nos chamam, que, obviamente, já não ouviram nada que nós tocamos depois de 2005. Então, é meio engraçado. Mas você sabe, há muita conversa ignorante sobre Avenged Sevenfold, e isso é bom para mim.

Radio Metal: A canção "Shepherd Of Fire" foi recentemente revelada como sendo uma das músicas-tema do jogo Call Of Duty: Black Ops II. Esta é a quarta vez que uma música de vocês tem sido destaque em Call Of Duty. Além disso, vocês ainda foram apresentados como personagens no jogo. Você pode nos dizer mais sobre a relação da banda com este jogo ? O que há de tão especial sobre isso ?

M Shadows: Eu toco muito. Eu sou um gamer, e eu sempre digo às pessoas que eu sou um jogador. A relação com eles é muito legal, porque eles amam a música rock, e quando ouviram o registro, eles se sentiram "Pastores de Fogo" (tradução do nome da música) era uma música perfeita para o que eles estavam fazendo no novo jogo. É uma daquelas coisas em que há uma relação entre duas pessoas que amam o que o outro faz. "Shepherd Of Fire" parecia fazer parte do jogo, por isso foi muito legal.

Radio Metal: Pela segunda vez, o álbum foi produzido por Mike Elizondo. Será que é porque você sentiu que ele fez o som perfeito do Avenged Sevenfold com Nightmare ?

M Shadows: Não, eu só respeito a sua composição e sua opinião sobre as coisas. Quando escrevemos canções, podemos ter as orelhas do conselheiro com ele. A maneira como ele está no estúdio, o tom que ele pode chegar, ele é apenas um produtor incrível. Para mim, quando você se dá bem com alguém, quando você o trata como um sexto membro da banda, que é quando você sabe que você encontrou o produtor certo. Para mim, trabalhar com Mike é uma coisa muito especial, porque ele é um cara super talentoso.

Radio Metal: Você contribuiu com vocais para um par de outras bandas e projetos, como Slash, Steel Panther ou Device. Parece que isto é algo que você gosta de fazer. Você tem outras contribuições previstas para o futuro?

M Shadows: A coisa é, eu sempre vou cantar no registro de alguém, se for meu amigo. Eu fiz coisas com Fozzy por causa que Chris Jericó é um amigo. Na verdade, eles são todos meus amigos. Os caras do Device são amigos, e os caras no Hell Or Highwater, Slash, são todos amigos. Me perguntam muito sobre cantar em registros, mas não é algo que eu quero ser conhecido. Mas, ao mesmo tempo, se um amigo me pergunta, então eu vou fazer isso, porque é meu amigo.

Radio Metal: Você já pensou em fazer um álbum solo, um dia, como muitos cantores fazer ?

M Shadows: Absolutamente não. Eu escrevo e concentro todos os esforços de criatividade no Avenged Sevelfold. Estou completamente feliz fazendo apenas isso.

Radio Metal: O que aconteceu com o CD single  Hail To The King ? O que houve em relação à arte de Cam Rackams, que depois foi substituída por outra obra, e essa acabaram destinando para o single...

M Shadows: Vimos uma grande pintura feita por Cam alí. Aprovamos a estampa, em seguida, ele começou a fazer o trabalho, para ele isso parecia que era bom - você sabe, Photoshop e outras coisas, um monte de novas cores. E quando vimos já tinha sido lançado online... Deveríamos ter entrado mais em contato com ele, mas estávamos mixando o álbum, estávamos fazendo um monte de coisas com a música em si. Quando vimos isso online, vimos o quão ruim o Photoshop tornou aquilo. Um grupo de fãs não gostou, não gostou mesmo, e em vez de sermos teimosos e deixarmos, decidimos que iríamos ter uma discussão sobre como alterar isso. Uma vez que tivemos essa discussão, todo mundo queria fazer algo mais simples, porque o álbum é mais simples, e isso fez mais sentido. Em vez de ser cabeça-dura sobre o assunto e apenas deixar do jeito que estava, decidimos que iríamos mudar. E eu acho que mudou para melhor.


Agradecimentos: Jimmy Sullivan BR e Sarah Dias
Compartilhe!
  • Share to Facebook
  • Share to Twitter
  • Share to Google+
  • Share to Stumble Upon
  • Share to Evernote
  • Share to Blogger
  • Share to Email
  • Share to Yahoo Messenger
  • More...